Orientações Médicas

Consultório de Endocrinologistas Jundiaí, São Paulo

Consultório de endocrinologia em Jundiaí. Conheça especialistas em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes.

Jose Carlos Belini Peterson
Rua Onze de Junho 158
Jundiai, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Marcos Bitencourt Prata
Av. Antonio Segre 295 - 4º Andar. Sl 43
Jundiai, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Ricardo Capersmidt
(11) 000
Rua Saguairu 665 - Casa Verde
São Paulo, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Eliana Gabas S Perez
(01) 7523-3127
Rua Belo Horizonte 1023
Catanduva, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Marino Cattalini
(14) 522-4251
Avenida Nicolau Zarvos 868
Lins, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Fábio Luis Fujita
(11) 4497-0652
Rua São Lázaro 15
Jundiai, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Jose Carlos Bellini Peterson
(11) 4586-4431
Rua Fernando Carlos Orsini de Castro 128
Jundiai, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Antonio Roberto Maestrello
(11) 3231-9058
Rua Rodrigues Pacheco 341
Sorocaba, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Israel Diamante Leiderman
Rua Paulo Setubal 147 - Sl. 92
Sao Jose Dos Campos, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Josefina Dourado Matielli
(11) 3231-9888
Rua Nicolau P C Vergueiro 133 - S 61
Sorocaba, São Paulo
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Colesterol, Dicas alimentares, Sintomas de prostatismo .::. Em respostas selecionadas da Dra. Sonia

Fornecido por:

Colesterol
Dicas alimentares
Sintomas de prostatismo

Clique nos título dos temas acima,
ou use a barra de rolagem do navegador.
Você pode usar a pesquisa para outros temas.

Os textos são breves e objetivos.

Colesterol

O colesterol é um tipo de gordura produzida pelos tecidos orgânicos do nosso corpo, em especial o fígado, e é transportado no sangue por "pacotes" chamados lipoproteínas. Há o "pacote" HDL - lipoproteína de alta densidade - conhecido como bom colesterol, por remover a gordura da corrente sangüínea e há o LDL - lipoproteína de baixa densidade - conhecido como mau colesterol, por distribuir a gordura por todo o organismo. É justamente esta fração que está elevada quando se diz que uma pessoa tem colesterol alto. O colesterol pode ser prejudicial por três motivos: devido a sua quantidade no sangue, devido a problemas nas proteínas específicas que o transportam ou, ainda, devido a alguns transtornos nos receptores celulares que facilitam o seu metabolismo. Se a gordura sobrar na circulação, irá ficar depositada nas artérias, que com o tempo, poderão entupir. Se isso ocorrer numa artéria do coração, a pessoa terá um infarto do miocárdio, se for no cérebro, terá um derrame. Existe uma predisposição hereditária para o colesterol alto. Além disso, a obesidade, sedentarismo, alimentação rica em gorduras saturadas e pobre em gorduras poliinsaturadas (óleos vegetais) e fibras também contribuem para a elevação do colesterol. Quem tem baixa concentração de hormônios tireóide, ou diabetes não controlada também tem propensão a colesterol alto. A concentração ideal de colesterol total é por volta de 140 miligramas por decilitro, mas até 225 é considerado um valor normal. Além do colesterol total, é muito importante analisar a taxa dos dois tipos de colesterol. O valor do HDL (colesterol bom) por sua vez deve apresentar taxa superior a 40 miligramas por decilitro, e o LDL (colesterol ruim) deve ter uma taxa inferior a 130. Através de exame de sangue pode-se identificar os níveis de colesterol total e das frações LDL e HDL, além de taxas correlacionadas como LDL/HDL e colesterol total/ HDL. O que fazer? 1. Atividade física regular: você não precisa se exercitar todos os dias, o importante é que mantenha sempre a mesma freqüência. Estudos mais recentes demonstram que as pessoas se sentem mais felizes quando estão praticando uma atividade que elas gostam. Se você não é adepto à caminhada, existem muitas outras alternativas, como a dança, a hidroginástica, etc. O importante é que você sinta prazer naquilo que está fazendo, para que consiga manter uma freqüência. 2. Dieta adequada com alimentos ricos em fibras e pectina (cereais integrais, frutas e verduras) e óleos insaturados (oliva e canola). Existem hoje no mercado diversos produtos naturais, como a soja, que está comprovado cientificamente que previne e cura diversas doenças. 3. Evite principalmente o consumo de ovos, gordura animal, manteiga e out...

Clique aqui para ler este artigo em Orientações Médicas