Orientações Médicas

Médico Infectologista Brasília, DF

Médicos infectologistas em Brasília. Conheça clínicas médicas em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes.

Dea Marcia da Silva Martins Pereira
Shln 516 - Conj D Consult. 02 Hospital Santa Helena
Brasilia, DF
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Jose David Urbaez Brito
(32) 456-1290
Brasilia, DF
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Alexandre Lima Rodrigues da Cunha
(61) 3345-5505
Shls 716 Centro Clinico Sul Torre Ii Sala 420
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dea Marcia da Silva Martins Pereira
Shln 516 - Conj D Consult. 02 Hospital Santa Helena
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Eduardo Flávio Oliveira Ribeiro
(61) 3245-7505
Shls 716 Centro Clínico Torre 2 304
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Eliana Lima Bicudo dos Santos
Seps 710 - /910Sala 536Centro Clinico Via Brasil Centro Clinico Via Brasil
Brasilia, DF
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Alexandre Lima Rodrigues da Cunha
(61) 3345-5505
Shls 716 Centro Clinico Sul Torre Ii Sala 420
Brasilia, DF
Especialidade
Infectologia

Dados Divulgados por
Ihsan Youssef Simaan
(61) 3445-1166
Seps 715/915 Sul Edificio Pacini Conjunto a Bolco B Sala 208 208 - Setor Ho
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Carmem Silvia Vettorazzo Stocco
Shls 716 - Cent.Clinico Sul Torre Ii Sala 212
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Alexander Jorge Saliba
(61) 3326-9242
Cln 204 Bloco C Número 51 - Sala 105
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Malária. O que é?

Fornecido por:

 

21/04/2009
Dr. Jorge B.A. Seixas, MD, MSc, PhD
Prof. Auxiliar da Unidade de Clínica das Doenças Tropicais
Instituto de Higiene e Medicina Tropical,
Universidade Nova de Lisboa
TOP SAÚDE

O que é a malária e quais os tratamentos mais usados?

O que é malária e quais os tratamentos mais usados?

Malária é uma doença parasitaria associada a infeção por um protosoário Plasmodium que é transmitida ao homem pela picada de mosquitos anófilos e que inoculam parasitas principalmente Plasmodium falciparum, que é o mais importante. No sangue, este parasita multiplica-se progressivamente e sua multiplicação normalmente foge ao controle do organismo. Em função desta grande quantidade de parasitas que se desenvolvem há uma série de fenômenos, incluíndo dificuldade de circulação capilar e os órgãos que sofrem com isto são principalmente o cérebro, o pulmão, rim e fígado.

Deixada sem diagóstico e sem tratamento a malária por Plasmodium falciparum leva a falência destes órgãos. Considerada a malária grave. Nas crianças o cérebro é o alvo principal e portanto o nome malária cerebral. No adulto a componente cerebral da malária grave só existem muito tardiamente, antes de acontecerem os sintomas de malária cerebral há falência de múltiplos órgãos. O parasita invade o glóbulo vermelho e, fruto desta invasão, o glóbulo vermelho é destruído. Portanto, há uma relação direta entre malária e anemia. Qualquer episódio de malária, mesmo a malária não complicada, leva a algum grau de anemia. A malária complicada, obviamente, pode levar a necessidade de transfusão. Isto é basicamente a malária.

Os sintomas associados a invasão por este parasitas são inespecíficos. Os sintomas da malária são idênticos a uma série de outras doenças, ou seja, gripe, febre tifóide, broncopneumonia no estado inicial, qualquer infecção, febre alta, dor de cabeça intensa, dores musculares e dores articulares é o quadro bem mais frequente. Como vê não tem nada de específico. E, depois, uma série de outros sinais e sintomas podem acompanhar: tosse, queixas abdominais, enfim. Portanto, é preciso estar alerta para não especificidade deste quadro clínico, de forma a poder fazer o diagnóstico.

No tratamento da malárias são utilizados muitos fármacos. E quando isto acontece em medicina quer dizer que nenhum deles é bom. Existem fármacos disponíveis na Europa e nos países desenvolvidos e fármacos que são ótimos para tratar malária em África e no sudeste asiático que não estão disponíveis na Europa.

Tem sempre que diferenciar malária não complicada, ou acesso simples de malária e malária grave. Na malária grave o quinimo continua a ser um fármaco excelente, usado por via endovenosa, pelo menos numa fase inicial até o controle da multiplicação do parasita. As artemisininas que são os tais fármacos que estão disponíveis no sudeste asiatico e em África e porque são feitos a partir de plantas não há valorização que seja considerada plenamen...

Clique aqui para ler este artigo em Orientações Médicas